Emprego
Classificados
Meteorologia
Farmácias
Resultados Futebol

Arquivo

Sociedade

Empresa à qual foram contratados vários serviços reclama em tribunal uma dívida de 204 mil euros
Câmara ainda não pagou aluguer de tenda onde foram entregues condecorações do 10 de Junho

foto

As cerimónias do Dia de Portugal em Santarém já aconteceram há quase três anos, mas alguns dos equipamentos e serviços ainda não foram pagos pela Câmara de Santarém, presidida por Moita Flores, que na altura até foi condecorado por Cavaco Silva.

Edição de 2012-03-08
Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

O aluguer das tendas onde esteve o Presidente da República nas cerimónias do 10 de Junho em Santarém, em 2009, ainda não foi pago pela câmara municipal. Na altura o presidente do município fez gáudio de ter conseguido fazer o Dia de Portugal na capital de distrito, uma das poucas que ainda não tinha recebido o evento, mas Moita Flores (PSD) ainda não pagou todas as contas e a empresa que forneceu as tendas, equipamentos e diversos materiais reclama em tribunal o pagamento de 204.138 euros, dos quais mais de nove mil euros são de juros de mora.

A empresa Silvestre Festas, com sede em Sintra, alugou e instalou a imponente tenda onde ocorreu a imposição de condecorações habituais nesse dia e em que foi agraciado com o título de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique o presidente da câmara. A tenda, que até faz parte do portefólio da empresa no seu site na internet, foi alugada por 55.878 euros segundo consta do processo que a empresa interpôs contra a autarquia e que está em julgamento no Tribunal de Santarém.

Recorde-se que foi na mesma tenda montada perto da Casa do Campino que o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, condecorou também outras personalidades da região. Ao todo constam do processo onze facturas em que a empresa reclama o pagamento por serviços prestados há quase três anos e que incluem aluguer de cadeiras e equipamentos e materiais para o Convento de S. Francisco. As primeiras facturas foram passadas em Junho e dizem respeito a aluguer de plateia de sessão solene e cadeiras num valor de cerca de cinco mil euros. A factura com a verba mais elevada foi emitida em Agosto e diz respeito a trabalhos no convento que a câmara conseguiu que passasse do Ministério da Defesa para a sua alçada. São 99.696 euros que estão em causa.

A empresa reclama ainda o pagamento de uma estrutura da capela mor e lona no convento, aplicação de estrados na entrada do templo, aluguer de palcos, aluguer de equipamentos e estruturas para a exposição sobre S. Francisco de Assis e fornecimento de telas. Para além destes serviços a autarquia, apesar de não ter pago o que já tinha requisitado, ainda foi alugar à mesma firma as tendas para as actividades da Semana Europeia da Mobilidade na cidade, que decorreram em Setembro de 2009. Na altura uma das iniciativas realizadas foi a assinatura do contrato de consórcio para a oficialização da rede piloto de mobilidade eléctrica a nível nacional, nas instalações da antiga Escola Prática de Cavalaria.

Diga o que pensa sobre este Artigo. O seu comentário será enviado directamente para a redacção de O MIRANTE.

Gostei Concordo
Comentários
Nome Email
Autorizo a eventual publicação na edição em papel do Mirante.

2008 © Jornal O MIRANTE, todos os direitos reservados | Termos de Utilização | Política de Privacidade | FAQ’S | Contactos | RSS

Voltar ao topo