Emprego
Classificados
Meteorologia
Farmácias
Resultados Futebol

Arquivo

Sociedade

Especialista defende que não estamos preparados para encontros do terceiro grau
À procura de explicações para os discos voadores em Salvaterra de Magos

foto

Estamos sós ou acompanhados no universo? E os objectos estranhos que por vezes são avistados nos céus são naves extra-terrestres? As opiniões dividem-se.

Edição de 2008-07-17

Por: Ana Isabel Borrego

Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

Em Salvaterra de Magos falou-se de ovnis (Objectos voadores não identificados) na noite de quinta-feira, 10 de Julho. Foi na Cabana dos Parodiantes mas o tema não suscitou qualquer paródia, embora entre os cerca de quarenta presentes houvesse descrentes. Um deles, de nome Alexandre, fez questão de se afirmar como um descrente. Alguém que já acreditou mas que perdeu a fé.

“Durante dez anos acreditei e estudei tudo o que estivesse relacionado com ufologia. Mas à medida que fui aprofundando os meus conhecimentos comecei a perceber que as coisas não eram bem como queriam fazer-nos crer. Tudo tem uma lógica. Não é estranho que os aparecimentos dos ditos discos voadores vão aumentando à medida que a nossa tecnologia também avança?”, questiona. E acrescenta. “Na minha opinião, esses discos voadores não são mais do que os nossos militares a testarem diversos modelos mais modernos de aeronaves”.

Opinião diferente tem César Pires, do Cartaxo, que se deslocou propositadamente a Salvaterra de Magos para ouvir a palestra de Ademar Gevaerd, um brasileiro apresentado como especialista em ovnilogia. E conta um episódio para justificar que embora não tenha opinião formada sobre o assunto, não rejeita a possibilidade de existência de ovnis.

“Foi em 1966, estava a cumprir serviço militar em Montejunto. Era noite e estava com mais duas dezenas de colegas na rua quando vimos algo muito negro a planar por cima das nossas cabeças. Era um objecto redondo bastante grande que esteve ali durante vários minutos. A luz eléctrica foi cortada. O oficial de dia registou a situação que se tornou secreta. Até hoje não sei o que era mas posso dizer, com toda a certeza que, presenciei algo anormal”, garante.

Certezas têm-nas o conferencista. “O aparecimento de vida extraterrestre no planeta Terra é um fenómeno milenar inquestionável que tem sido documentado desde os homens das cavernas. Existem centenas de relatos e documentos secretos que provam o aparecimento de naves espaciais no nosso planeta. Desde 1947 que estes fenómenos se têm manifestado de forma mais intensa o que significa que várias formas de vida existentes no Universo estão mais avançadas tecnologicamente”, afirma Ademar Gevaerd, investigador brasileiro de fenómenos de Ufologia e editor da revista brasileira UFO. (Unidentified Flying Objects- Objectos voadores não identificados).

Para o especialista brasileiro que garante ter passado as últimas três décadas a estudar o assunto, existe uma lógica para o aumento de “avistamentos” de discos voadores no nosso planeta. “Se nós temos, neste momento, máquinas a investigar o solo do planeta Marte porque é que outros seres extraterrestres não têm capacidade para desenvolver tecnologia para chegar à Terra?”, questiona.

Na sua opinião o problema reside no facto dos governos dos diversos países tratarem este assunto como algo ultra-secreto. Ademar Gevaerd considera, no entanto que, os responsáveis políticos começam a mudar a sua atitude e alguns já falam do assunto com naturalidade.

O orador disse acreditar que vai chegar o momento em que o Homem se vai confrontar com seres de outras galáxias e que esse contacto pode ser enriquecedor. Admite que o encontro está a ser retardado deliberadamente. E não é pela raça humana. “As civilizações que nos visitam sabem que se provocarem o confronto directo podem causar distúrbios muito grandes no nosso planeta”, afirma.

Diga o que pensa sobre este Artigo. O seu comentário será enviado directamente para a redacção de O MIRANTE.

Gostei Concordo
Comentários
Nome Email
Autorizo a eventual publicação na edição em papel do Mirante.

2008 © Jornal O MIRANTE, todos os direitos reservados | Termos de Utilização | Política de Privacidade | FAQ’S | Contactos | RSS

Voltar ao topo